A crença em Bruxaria sempre existiu por todo o Mundo.

Símbolos e ilustrações em cavernas mostram que o ser humano adorava deusas como a da fertilidade ainda no tempo do neolítico.

Já no início das primeiras civilizações, o homem acreditava em deuses que protegiam eram respeitados como divindade.

Era também uma forma de entender o mundo e ter respostas.

Relacionamento do Bruxaria e o Cristianismo no Brasil

Com o crescimento do Cristianismo, o poder atribuído à Bruxaria passou a ser perseguido e chamado de pecaminoso.

O Cristianismo passou a espalhar a crença de que existia uma cultura certa e verdadeira, e outra falsa e errada, estando todos os rituais de Bruxaria aqui incluídos.

Na Europa, assim como no Brasil, nos tempos coloniais, houve uma grande perseguição às Bruxas, devido ao medo que provocavam pelos seus supostos poderes.

Na idade média, na Europa, as mulheres que dominavam a utilização de ervas medicinais para tratar problemas de saúde, eram também perseguidas e julgadas como Bruxas.

No entanto, no Brasil, as crenças mantiveram-se mais se adaptando a cultura Brasileira também. Hoje podemos encontrar o uso de rituais de bruxaria, denominadas simpatias, livremente por todo o Brasil. Dentro de estas uma das mais importantes é a simpatia para engravidar, pois a cultura brasileira é muito familiar.

Existem Bruxos que prestam os seus serviços, e incontáveis informações disponíveis em livros, revistas e especialmente na internet. O Brasil é atualmente um país com intensa prática feiticeira.

As religiões Afro-brasileiras como o Quimbanda, Candomblé, “Tambor da Mina” e Umbanda contribuíram muito para a cultura feiticeira. A lenda de São Cipriano é uma das muitas lendas e mitos de Bruxaria no Brasil.

Em qualquer das muitas lojas esotéricas ou de religiões afro-brasileiras, que abundam no Brasil, encontramos os livros de São Cipriano. Note-se que há várias versões, e nos livros atuais menos de 30% do texto é mesmo de São Cipriano, sendo o resto uma mistura de satanismo e feitiços wiccanos.

Supostamente, existem apenas dois livros originais, um chamado, livro de Capa Preta e outro chamado de livro de capa de Aço. Atualmente existem várias versões.

A prática da Bruxaria no Brasil

A cultura da Bruxaria no Brasil, é muito diversificada, já que sofreu influência de pessoas de todo o Mundo. Vieram Bruxos imigrantes de todo o globo para o Brasil, ao longo da história.

Podemos afirmar que a mais típica e tradicional Bruxaria e Feitiçaria Brasileiras são moldadas pelo catolicismo, pela espiritualidade africana, e pelos esoterismo e ocultismo mais populares.

As chamadas Simpatias, são procedimentos detalhados e orações que são usados para objetivos específicos. Dentro destas, existem diversas simpatias como a simpatia para arrumar emprego ou ter mais sorte nos negócios.

feitiços brasileiros

Muitos Brasileiros recorrem atualmente as simpatias e outros rituais, para encontrar um emprego rápido. As Simpatias são rituais de bruxaria que sempre foram muito populares no Brasil e muito usados por várias pessoas. Servem para obter certos benefícios ou afastar alguns males.

Veja aqui o vídeo de uma simpatia para arrumar emprego.

Algumas das Simpatias muito usadas são as de São José Operário, santo Católico dos Trabalhadores, cujo aniversário se celebra dia 19 de março. Note-se aqui a simbiose entre a religião cristã e a bruxaria.

Existem várias simpatias relacionadas com benefícios no emprego: para crescer na profissão, para conseguir emprego novo, para não ficar desempregado, entre outras.

Um exemplo de simpatia para não ficar sem trabalho, consiste nos seguintes passos:

  • Realizar numa segunda, ou quarta, ou sexta-feira.
  • Fazer a Simpatia às seis da tarde em ponto.
  • Colocar-se num lugar, em casa, onde consiga ver o céu.
  • Olhar o céu, erguer os braços e dizer as seguintes palavras com toda a fé:“Os meus caminhos vão se abrir e encontrarei um emprego rapidamente.”
  • Terminar oferecendo uma oração de sua devoção a São José Operário, que é o protetor do trabalhador.

Natal, é claro, é honrar o nascimento de um humilde rabino itinerante do mundo antigo.

Imperadores e governadores vieram e foram, mas é este homem Jesus cujo nascimento ainda celebramos 2000 anos depois. Esperamos que todos possam desfrutar desta conta no espírito delicioso do Natal.

Mesmo a maioria dos não-cristãos pelo menos respeitam Jesus como um grande mestre moral. Além disso, poucos argumentariam que este homem teve mais impacto no mundo do que qualquer pessoa na história.

Deixando de lado o sobrenatural, vamos examinar como a pessoa de Jesus impactou o curso da história.

Impacto sobre o valor da vida humana e dos direitos humanos. O conceito de direitos humanos universais e igualdade vem exclusivamente da idéia bíblica de que todas as pessoas são criadas à imagem de Deus.

Escravidão

Embora seja verdade que os cristãos possuem escravos na história, é claro que isso era uma distorção do ensino bíblico. O cristianismo primitivo elevou os papéis dos oprimidos na sociedade, por exemplo, aceitando mulheres e escravos como membros de pleno direito.

Gladiadores

Um monge do século 5, Telemachus é creditado como sendo a força fundamental que termina os óculos de gladiador.

Canibalismo

Os seguidores missionários de Jesus são creditados com a parada do canibalismo em muitas sociedades primitivas.

Família

Como explicado por D'Souza, antes da era cristiana, a pederastia e a homossexualidade não eram consideradas erradas: "O cristianismo exaltava o amor monogâmico heterossexual, que proporcionaria a base para uma relação duradoura e exclusiva entre marido e mulher, orientada para a criação de filhos, a família é tida como certa - ela permanece como um poderoso ideal em nossa sociedade, mesmo quando a vida familiar atual está aquém - que esquecemos as premissas centrais em que se baseia. Uma sociedade para a qual eram completamente estranhos ".

Educação

Desde o início do judaísmo, de onde o cristianismo é derivado, havia uma ênfase na palavra escrita. Mas o fenômeno da educação para as massas tem suas raízes na Reforma Protestante.

Influências políticas no cristianismo e suas similitudes Para promover a alfabetização bíblica, os cristãos têm sido líderes na educação. Esta tendência foi acelerada com o advento da imprensa, quase ao mesmo tempo que a Reforma Protestante. Muitas das línguas do mundo foram escritas por missionários cristãos para que as pessoas pudessem ler a Bíblia.

Influências

O cristianismo é obviamente influenciado pelo paganismo.

O catolicismo e todos os seus santos era um caminho fácil para a Igreja incluir deuses pagãos e heróis em sua religião.

Também a reverência da mãe Maria provém diretamente das religiões de adoração da deusa. Então você tem feriados como Natal, Páscoa, e outros que são claramente solstício e celebrações de equinócio.

O cristianismo usa ídolos pagãos e símbolos que você não pode reutilizar ídolos que pertencem a deuses pagãos então por que está o alfa e omega assinalam que o símbolo alfa era originalmente um phonecian, o símbolo omega que se parece com o libra veio da deusa Ninhursag.

Todas as igrejas bem a maioria deles tem um campanário que se asemelha a um obelisco egípcio... A cruz de jesus veio do ankh egípcio basta olhar para cima a cruz gnóstica para ver como é semelhante. A cruz leviathon você vê os pedreiros usando esta... O símbolo dos peixes é um símbolo do dagon, do deus dos peixes, e usado para representar a parte de corpo fêmea.

A palavra paganismo encontra sua origem no idioma latim, sendo uma derivação do termo "paganus", cuja significação refere-se a algo rústico, relativo ao campo.

O vocábulo, contudo, é comumente utilizado para representar uma corrente religiosa que abrange uma série de crenças de caráter politeísta, muito antigas.

história do paganismo

Breve história sobre o paganismo

A história do paganismo remonta à mitologia de ordem greco-romana, possuindo características ramificadas europeias e do norte da África, num período que antecede o cristianismo.

Como por exemplo, pode-se citar grande parte das relógios do oriente, práticas ritualísticas do continente americano, da Austrália e do centro asiático.

As principais características do paganismo são a falta de intenção de levar outras pessoas a se converterem e a presença muito marcante de elementos mitológicos, cuja função é explicar as práticas que envolvem a atividade religiosa.

Sua aplicação, entretanto, não é classificada como inerente à religiões civis, onde a abrangência é mundial e popular.

Há certa limitação no que se aplica aos cultos em áreas urbanas, o que lhe imprime um aspecto mais rural e restrito à algumas localidades.

O paganismo é, sob uma perspectiva católica, algo que faz alusão a crenças que divergem dos ensinamentos abraâmicos, havendo sobre a palavra uma característica pejorativa.

No ocidente latino houve certa evolução quanto ao emprego do termo. As atividades pagãs são caracterizadas como provenientes da natureza, o que também engloba o ser humano. Sua presença é descrita pelos religiosos por meio dos fenômenos que ocasionam.

Comportamento e costumes

O comportamento dos fiéis, ao contrário de algumas religiões monoteístas, não é classificado como bom ou ruim.

Não há nas práticas pagãs, a crença na existência de inferno ou qualquer outro meio de se eximir do que em outras religiões é considerado inadequado. A relação entre os adeptos e as divindades é tratada como uma interação direta, onde o fiel teoricamente teria o direito de se comunicar com o que é divino.

Não há a presença de artefatos, considerados santos, bem como atos ou objetos tratados como profanos.

Templos não são o meio em que os adeptos do paganismo exercitam sua fé, mas existem espaços sagrados destinados aos rituais, como montanhas, bosques ou poços.

A liberdade estabelecida pelo paganismo permite com que cada praticante possa realizar os cultos de acordo com que considerar mais adequado, sem indicação de locais exclusivos para que isso aconteça.

A fertilidade é considerada um elemento importante, dessa forma, as festas ocorrem em fases do ano em que alguns ciclos da natureza estão em transição.

Conflitos interiores são vistos com menos frequência na religiosidade pagã. Isso decorre da ausência da necessidade de se impedir algum tipo de comportamento.

Os ciclos da natureza são empregados como elementos de representação do retorno em relação ao que aconteceria na vida das pessoas.

Alguns locais que possuem predominância do paganismo acreditam na vida após a morte, mas não é algo considerado de extrema importância por eles.

Crenças tradicionais são tidas como importantes para a perpetuação do conhecimento relativo às atividades necessárias ao andamento dos rituais, o que suscita um profundo respeito, por parte dos fiéis, aos seus ancestrais.